Chovem críticas a Obama pelo pronunciamento de segunda-feira

Chovem críticas a Obama pelo pronunciamento de segunda-feira
03 julho 13:25 2014 Imprimir

Barack Obama

O presidente Barack Obama na terça-feira enfrentou demandas para deter as deportações de imigrantes ilegais, um dia depois de declarar que a reforma da imigração estava morta e anunciar planos para avançar por conta própria, já que a crescente oposição republicana para a estratégia do presidente não tem resultado previsível neste ano eleitoral.

Esta terá lugar no contexto de uma crise em pleno andamento, na fronteira com o México, onde milhares de crianças chegaram desacompanhados por adultos, e que estão fugindo da violência em seus países, um acontecimento imprevisto que ambas as partes tentam capitalizar como benefício político. Obama disse que a presença maciça de crianças na fronteira constitui um poderoso argumento para a reforma, enquanto os republicanos argumentam que as políticas de Obama causaram o problema.

Em um pronunciamento sobre a imigração na sede da AFL-CIO na terça-feira, o presidente da federação do trabalho, Richard Trumka, disse que a próxima tarefa é fazer Obama tomar medidas para deter as deportações, que atingiram níveis recordes durante seu governo.

“Se ficarmos juntos e agir com ousadia, acredito que o presidente vai agir com ousadia, e isso fará melhorar a economia do nosso país”, disse Trumka. “Irmãos e irmãs, temos muito trabalho pela frente, eu sugiro que vocês comecem.”

Os políticos concordaram em punir politicamente os republicanos por não abordarem a lei de imigração aprovada pelo Senado, a maioria democrata, há um ano, mas que parou na Câmara dos Deputados. “Nós temos certeza de que todos sabem que a responsabilidade recai diretamente aos legisladores republicanos e o presidente da Câmara John Boehner”, disse Janet Murguia, presidente do Conselho Nacional de La Raza.

Mas em uma indicação das dificuldades que enfrenta Obama para atender as reivindicações e Murguia Trumka exortou o presidente a emitir autorizações de trabalho para aqueles que são elegíveis para a cidadania sob o projeto do Senado, que teria legalizado muitos dos 11,5 milhões de pessoas que estão ilegalmente no país.

Por sua parte, Boehner e legisladores republicanos anunciaram planos de processar Obama e tomar medidas executivas, e disseram que as novas medidas vai endurecer a oposição. “Se o presidente insiste em declarar uma anistia por ordem própria, sem dúvida, enfrentará um processo judicial e se cairá novamente em violação da Constituição e da lei”, disse o deputado republicano Lamar Smith.

  Editorias:




Escreva um comentário

Nenhum comentário

Nenhum comentário ainda...

Seja o primeiro a comentar!.

Publique seu comentário

Your data will be safe! Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person.
All fields are required.