Universidade cria o primeiro “chocolate da beleza” do mundo para combater envelhecimento

Universidade cria o primeiro “chocolate da beleza” do mundo para combater envelhecimento
22 setembro 16:39 2016 Imprimir

esthechoc-chocolate-da-beleza_02

Desenvolvido por um laboratório da Universidade de Cambridge, o Esthechoc está sendo apontado como o primeiro “chocolate da beleza” do mundo. É um chocolate escuro com 70% de cacau que contém níveis elevados de dois poderosos antioxidantes que ajudam a reverter o processo de envelhecimento natural da pele.

Um pedaço de 7,5 g do Esthechoc possui tantos flavonoides de cacau quanto um pedaço de 100g de chocolate normal, e a mesma quantidade de astaxantina quanto 300g de salmão fresco. Estas substâncias ajudam a melhorar a circulação sanguínea e aumentar a oferta de sangue para a pele, tornando-o mais saudável e mais jovem. Uma empresa biomédica chamada Lycotec, com base em Cambridge, testou o chocolate em voluntários com idades entre 50 e 60 anos, e registrou benefícios visíveis em apenas três semanas.

“O “chocolate da beleza” foi capaz de, não só reprimir marcadores de lesão inflamatória subclínicas no sangue dos voluntários, como também inverter a sua depressão relacionada à microcirculação e fornecimento de sangue a tecidos periféricos como gordura subcutânea e pele”, afirmou uma postagem da Lycotec no site oficial. “Isso, consequentemente, resultou em um aumento significativo da oferta de oxigênio para esses tecidos e a restauração de sua respiração, uma necessidade fisiológica essencial no controle e apoio à saúde da pele”.

Ivan Petyaev, inventor da Esthechoc e diretor do Lycotec, disse que a tecnologia por trás deste chocolate revolucionário, é exclusiva da Universidade de Cambridge e exigiu vários anos até chegar à fórmula funcional. Ex-aluno de Cambridge, Petyaev é uma figura um tanto controversa, que afirmou, certa vez, que a clamídia, uma infecção sexualmente transmissível, poderia ser tratada ao comer queijo francês. Outros acadêmicos se declararam insatisfeitos com o Esthechoc, argumentando que mais pesquisas são necessárias para confirmar as alegações convictas de seus criadores.

A melhor coisa sobre Esthechoc é que ele contém apenas 38 calorias por porção, ou seja, níveis significativamente menores do que o chocolate normal, podendo ser apreciado até mesmo por diabéticos. Não se sabe muito sobre o gosto, por isso é difícil afirmar que ele possa ser tão satisfatório quanto uma barra de chocolate regular. “Ele está à venda no Reino Unido e em alguns países da Europa“, disse Ivan Petyaev. “Ele está disponível on-line, mas no Reino Unido temos um plano com um varejista de prestígio, um dos maiores varejistas do país, que pretende estocá-lo”, revelou.

  Editorias:




Escreva um comentário

Nenhum comentário

Nenhum comentário ainda...

Seja o primeiro a comentar!.

Publique seu comentário

Your data will be safe! Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person.
All fields are required.