Léa Campos: Respeito é Sempre Bom

Léa Campos: Respeito é Sempre Bom
07 setembro 09:52 2017 Imprimir

Infelizmente o árbitro de futebol não recebe, de alguns dirigentes, o respeito que deveria receber.

Provocações e xingamentos de torcedores fazem parte do cotidiano de um árbitro, mas deveria ser assim.

Marcelo Lima Henrique não engole as ofensas proferidas pelo ex-presidente da comissão de arbitragem de Pernambuco, Salmo Valentim e do atual prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil, ex-presidente do Atlético de Minas Gerais.

O árbitro em questão entrou com ações por danos morais, requerendo R$25 mil em cada uma.

A briga com Salmo, começou em fevereiro do corrente ano, quando Marcelo deixou a Federação Pernambucana onde atuava desde 2014, para retornar ao Rio de Janeiro.

O presidente da comissão de arbitragem levantou suspeitas contra o árbitro em entrevista ao Blog Extracampo entre outras publicações, na época Salmo afirmou que pediria à CBF que Marcelo não apitasse mais jogos do Náutico, do Santa Cruz e do Sport em competições nacionais, alegando que:

“Não sabemos o que ele pode fazer contra os clubes pernambucanos”.

O problema com Kalil ocorreu em 2015 quando o atual prefeito da capital das Alterosas era presidente do Atlético.

“Marquei um pênalti contra o Atlético mineiro em jogo contra o Atlético paranaense e expulsei o Marco Rocha. Kalil me xingou de vagabundo e ladrão no twitter”, relembra Marcelo ainda muito magoado. “Em 23 anos de futebol nunca havia sido xingado por pessoas públicas, até hoje, quando apito jogo do Atlético recebo ameaças.

As ações estão no Juizado Especial Criminal de Itaboraí.

Como os acusados não compareceram à audiência, o advogado de Marcelo pediu que o caso fosse julgado à revelia, o que poderá ocorrer na próxima audiência.

“Está nas mãos da justiça” afirma Marcelo.

Vale lembrar que Kalil é mestre useiro e vezeiro em ofender os árbitros sempre que o time dele perde.

Essa atitude precisa acabar, árbitro não faz gol nem é goleiro, portanto que contratem jogadores à altura das necessidades do time.

O Barcelona é um exemplo disso, não reclama de árbitros e está sempre buscando melhorar o time.
Precisamos de dirigentes com capacidade de presidir e dirigir os clubes e o esporte como um todo para não buscar culpados pelo fracasso.

Futebol é alegria, é para confraternizar, não para disseminar o ódio, que não trará nada de positivo ao esporte rei do Brasil.

Informar é um privilégio, informar corretamente uma obrigação.

Léa Campos

  Editorias:




Escreva um comentário

Nenhum comentário

Nenhum comentário ainda...

Seja o primeiro a comentar!.

Publique seu comentário

Your data will be safe! Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person.
All fields are required.