A cidade onde os indocumentados cruzam a fronteira facilmente

A cidade onde os indocumentados cruzam a fronteira facilmente
07 março 15:56 2019 Imprimir

É chamada Quitobaquito e está no meio do deserto no estado do Arizona.

Longe da imagem da rota perigosa que milhares de migrantes que andam através do deserto, há um ponto no Arizona, Quitobaquito, onde os imigrantes indocumentados chegar de ônibus como um passeio eram e atravessar a fronteira sem problema a ser entregue ao Agentes americanos. Por anos o deserto do Arizona tem sido uma rota letal para muitos migrantes que entraram no deserto e tiveram que fazer longas caminhadas sob temperaturas extremas para evitar a Patrulha da Fronteira, mas agora milhares de centro-americanos estão apostando em seguros e procurando agentes para pedir asilo.

Um desses lugares é o Quitobaquito, um ponto na fronteira com o México que se tornou a porta de entrada para o país para quase 4 mil famílias centro-americanas e crianças viajando sem a companhia, chegando de ônibus e caminhões. Daniel Hernandez, porta-voz da Patrulha da Fronteira com a qual Efe fez uma visita a esta área, garante que as prisões foram às centenas nos últimos meses. Ele explica que os migrantes chegam a este ponto em um ônibus que os deixa em uma estrada próxima e eles só têm que andar alguns metros e passar uma cerca para ficar em território dos EUA, onde são entregues às autoridades de imigração.

Agentes geralmente os esperam depois de detectá-los através de câmeras de vigilância localizadas no alto das montanhas próximas e sensores de movimento distribuídos por toda a área. Não muito longe Quitobaquito é onde cruzam do lado oeste do deserto do Arizona e seguem seu caminho sem serem detectados pelas autoridades de imigração, que devem atravessar o famoso “Camino del Diablo”, uma rota onde estão mortos e enterrados dezenas de imigrantes. A distância que devem percorrer é tão curta que, do lado norte-americano, há uma estrada que liga as cidades mexicanas de Sonoyta e San Luis Río Colorado. “Nesta seção da fronteira, prendemos quase 4.000 pessoas” nos últimos meses, enfatiza o agente depois de encontrar no chão uma passagem de ônibus que percorre a movimentada estrada. Hernandez enfatiza que há apenas uma cerca de pequenos postes de ferro instalados para impedir apenas a passagem de veículos.

“É uma estrada acessível, uma pessoa pode entrar em um ônibus e chegar aqui em um par de horas de uma grande cidade no lado mexicano”, diz ele. Por isso, considera necessárias novas e melhores infra-estruturas para impedir a passagem massiva incessante das famílias centro-americanas. Durante a turnê com a Efe pela região, os agentes receberam uma ligação informando que vários migrantes tinham acabado de cruzar a fronteira naquele ponto. O agente da Patrulha de Fronteira, Alan Regalado, explica que nos últimos meses chegou um número “alarmante” de crianças e recorda que, num grupo de 325 imigrantes sem documentos que atravessaram no início de fevereiro deste setor, havia 150 menores.





Escreva um comentário

Nenhum comentário

Nenhum comentário ainda...

Seja o primeiro a comentar!.

Publique seu comentário

Your data will be safe! Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person.
All fields are required.