Imigrantes em abrigos processam o ICE por não atenderem adequadamente aos detidos

Imigrantes em abrigos processam o ICE por não atenderem adequadamente aos detidos
03 outubro 18:39 2019 Imprimir

Os imigrantes detidos nos abrigos entraram com uma ação na segunda-feira contra o que eles disseram ser falta de assistência médica e a omissão das autoridades para atender às necessidades dos deficientes.

No processo movido por ativistas em um Tribunal do Distrito Federal, os imigrantes disseram que estão sendo isolados como punição e têm negados os pedidos de cirurgias e cuidados médicos. Eles acrescentaram que foram negadas cadeiras de rodas e um imigrante surdo que se comunica na língua de sinais não teve um intérprete. A ação movida em nome de 15 imigrantes de países que incluem Sudão e México, bem como organizações sem fins lucrativos, pretende representar imigrantes detidos em todo o país. O texto menciona problemas em oito instalações, incluindo um centro de operações privada em Adelanto, Califórnia, e a cadeia de Teller County, no Colorado.

Os ativistas disseram que querem ver mudanças no tratamento médico e nas políticas para os imigrantes, que estão lutando para não serem deportados, e transferir os imigrantes para programas alternativos. O número de imigrantes detidos aumentou nos últimos anos. Atualmente, existe uma média diária de 55.000, segundo o ICE. Um dos queixosos, Faur Abdulá Fraihat, está detido em Adelanto há mais de dois anos e perdeu a visão no olho esquerdo. Embora um médico externo tenha recomendado que ele fosse operado em abril, as autoridades de imigração não realizaram a cirurgia e, no mês passado, ele foi informado de que não era possível retornar a visão, de acordo com o processo.

Fraihat, 57 anos, que tem dores nas costas e nos joelhos, disse que recebeu uma cadeira de rodas, mas foi removido após um mês. Por mais de um ano, ele teve que depender dos agentes para lhe trazer comida, afirma o texto. Ele disse que estava com medo de retornar à Jordânia porque foi ameaçado depois que se converteu ao cristianismo. Outro detido em instalações localizadas a cerca de 100 quilômetros a nordeste de Los Angeles disse que foi segregado uma semana depois de registrar uma queixa contra um agente, informou o processo. Luis Manuel Delgadillo, de 29 anos, que viveu a maior parte de sua vida no país, estava tomando medicamentos para esquizofrenia e transtorno bipolar, mas seu tratamento mudou depois que ele foi preso em maio. Desde então, sua saúde mental se deteriorou e, portanto, ele não compareceu a dois agendamentos no tribunal, conforme afirma o texto judicial.

  Editorias:




Escreva um comentário

Nenhum comentário

Nenhum comentário ainda...

Seja o primeiro a comentar!.

Publique seu comentário

Your data will be safe! Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person.
All fields are required.