Supremacistas brancos no país estão aprendendo táticas jihadistas

Supremacistas brancos no país estão aprendendo táticas jihadistas
07 novembro 19:32 2019 Imprimir

O governo afirmou na sexta-feira (1) que as organizações de supremacistas brancos estão aprendendo as táticas usadas por grupos jihadistas para se coordenar em nível global e obter financiamento, o que provocou um aumento do terrorismo baseado em motivos raciais e étnicos em todo o mundo.

“Os nacionalistas brancos se comunicam por meio de redes internacionais. Estão aprendendo com seus antecessores jihadistas em termos de se organizar globalmente e arrecadar fundos”, disse o coordenador da Luta Antiterrorista do Departamento de Estado, Nathan Sales, em uma entrevista coletiva. As conclusões constam em um relatório produzido anualmente pelo Departamento de Estado sobre a situação do terrorismo no mundo. A “aprendizagem” dos supremacistas brancos foi uma das três tendências consideradas como mais significativas por Nathan em 2018, junto da queda do grupo jihadista Estado Islâmico e do suposto apoio do Irã a ações terroristas em outras partes do mundo.

“O mundo viu um aumento do terrorismo com base em motivos raciais ou étnicos”, disse Sales, citando o caso de um atirador que matou 11 pessoas em uma sinagoga da cidade de Pittsburgh. Sales explicou que o Departamento de Estado não se dedica a combater grupos supremacistas branco dentro do país por só ter autoridade para agir internacionalmente, mas destacou que o órgão está mobilizando os aliados para encarar a ameaça, considerada por ele como global.

“Queremos estimular medidas internacionais para tomar ações decisivas contra esses grupos, que se nutrem de ideologias cheias de ódio, supremacistas e intolerantes”, destacou Sales. O presidente Donald Trump é acusado de tolerar e incentivar ações de grupos supremacistas com a retórica anti-imigração de seu governo. As críticas à postura de Trump cresceram depois do ataque a tiros registrado em El Paso, em agosto deste ano, quando 22 pessoas morreram. O autor do crime, um jovem branco, disse que havia uma “invasão hispânica” na região.

  Editorias:




Escreva um comentário

Nenhum comentário

Nenhum comentário ainda...

Seja o primeiro a comentar!.

Publique seu comentário

Your data will be safe! Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person.
All fields are required.