BrasilNotícias

Na Amazônia, ‘fábrica do amor’ produz preservativos sustentáveis

0

_preservativos sustentaveis amazonia

Em plena selva amazônica, Raimundo Pereira faz cortes no caule de uma seringueira até fazer a árvore sangrar para coletar sua seiva branca, que depois será levada para a fábrica na vizinha Xapuri, a única no mundo que produz preservativos de látex, extraído de árvores nativas.

Seu gesto rápido e preciso revela a experiência de quem, todos os dias, desde os nove anos de idade acompanhava o pai ao amanhecer para trabalhar na selva como seringueiro, seguindo os passos do avô.

Raimundo não sabe ler ou escrever, mas se considera um “conhecedor dos produtos da selva e das plantas medicinais”.

A fábrica Natex foi inaugurada em abril de 2008, em Xapuri, cidade do estado amazônico do Acre (norte), berço histórico da luta de Chico Mendes, o defensor da Amazônia que ganhou fama mundial ao ser assassinado, em 1988, por grandes latifundiários que derrubavam a floresta com motosserras.

A fábrica nasceu de duas importantes políticas de governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010), explicou Dirlei Bersh, diretora da fábrica, totalmente financiada pelo Estado.

As instalações custaram 30 milhões de reais e não têm fins lucrativos.

“Tratava-se, de um lado, de incentivar uma economia adormecida, em um momento em que o preço da borracha tinha caído ao custo mais baixo e, de outro, de reforçar o programa de luta contra a Aids, através da distribuição gratuita de preservativos”, disse Bersh.

Foi neste contexto que a fábrica recebeu o apelido de ‘fábrica do amor’, cunhado pelo secretário nacional de Saúde da época, Gerson Penna, em uma época em que os preservativos ainda eram cercados de tabu.

Natex produz hoje 100 milhões de preservativos por ano, todos destinados ao ministério da Saúde, e pretende dobrar sua capacidade.

– 500 milhões de camisinhas –

A produção da fábrica de Xapuri representa 20% dos 500 milhões de camisinhas distribuídas gratuitamente por ano pelo governo brasileiro em um país com 730.000 soropositivos, segundo os números mais recentes da OnuAids.

O Brasil é pioneiro na luta contra a Aids, com tratamentos gratuitos para doentes e soropositivos.

“A Natex é a única fábrica de preservativos do mundo que usa látex ‘nativo’. Sua elasticidade e resistência são muito superiores às do látex cultivado, importado principalmente da Malásia”, disse sua diretora.

No total, 700 famílias de ‘seringueiros’ foram contratadas e 489 se encarregaram de fornecer à fábrica este ano 250 toneladas de borracha natural.

“O ‘seringueiro’ recebe 8 reais por quilo de borracha, o que representa 270% a mais que seu preço de mercado. Isto engloba o valor do produto e os serviços ambientais prestados como garantidor da floresta”, explicou Bersh, para quem a fábrica é um “símbolo” do desenvolvimento sustentável da Amazônia.

A Amazônia brasileira sofreu com a febre de extração da borracha, no final do século XIX. A cidade de Manaus e sua esplêndida Ópera em plena selva são símbolos da prosperidade da época.

Desde 1912, no entanto, o Brasil perdeu o monopólio da produção porque as árvores de borracha, plantadas pelos ingleses na Malásia e no Sri Lanka, a partir de sementes levadas da Amazônia, começaram a produzir látex com maior eficácia e produtividade.


Brasil fica quase na lanterna do crescimento mundial

Previous article

Carro bate em caminhão e espalha meia tonelada de maconha na Régis Bittencourt, em SP

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Brasil