NotíciasUSA

Estados americanos exigem isenção parcial ao plano de imigração

1

mapa dos estados unidos

A capital federal dos Estados Unidos e outros 14 estados pediram à justiça que apliquem de forma parcial as medidas migratórias do presidente Barack Obama, bloqueadas por um tribunal de Texas, por entender que regularizar os imigrantes indocumentados lhes trará benefícios econômicos.

O recurso, apresentado na terça-feira passada e liberado na sexta-feira, procura mostrar o apoio de 14 estados e do Distrito de Columbia ao governo federal, que na quinta-feira pediu a um tribunal de apelações em Nova Orleans que acabe com a suspensão temporária das medidas de alívio da imigração.

O governo recorreu ao tribunal em função da ação do juiz federal Andrew Hanen Texas, que suspendeu temporariamente há um mês as medidas de imigração de Obama solicitadas por 26 estados, a maioria liderada por republicanos.

Para apoiar a iniciativa do governo, os 14 estados e o Distrito Federal registraram no tribunal de apelações de Nova Orleans uma declaração de “amicus curiae” (amigos da corte).

O “amicus curiae” é um conceito jurídico no qual uma terceira parte de uma disputa exprime voluntariamente o seu apoio a outra para cooperar com o tribunal para resolver o processo legal.

O documento de 18 páginas diz que: “O amigos dos estados têm um forte interesse no recurso para o sucesso do plano do governo para os milhões de residentes em nossos estados que são elegíveis”.

Por exemplo, no estado de Washington, que apoia a implementação parcial das medidas, a regularização de 105 mil imigrantes indocumentados traria um lucro de $ 57 milhões ao longo dos próximos cinco anos, de acordo com o documento.

Segundo a carta, na Califórnia, onde 1.214.000 pessoas elegíveis para aceder a estes programas, os benefícios obtidos por meio de impostos, permitirá receitas adicionais ao longo dos próximos cinco anos somando $904 milhões dólares americanos.

Com sua carta, afirma apoiar a legalização de trabalhadores sem documentos, ou nos 24 Estados que ainda não iniciaram uma ação legal contra as medidas, ou em todos os estados, exceto Texas, líder da coalizão contra as medidas de Obama.

O Texas é o único estado que argumentou que a ação faria com que os americanos sofreriam prejuízos econômicos com a emissão de carteiras de motorista para imigrantes indocumentados.

“Um estado não pode ditar a política nacional de migração”, dizem os estados na carta. Na verdade, eles dizem que se Texas regulamentar os 594 mil imigrantes indocumentados que vivem no estado, obterão benefícios econômicos de $338 milhões.

Os Estados que apoiaram o governo são Washington, Califórnia, Connecticut, Delaware, Havaí, Illinois, Iowa, Maryland, Massachusetts, New México, New York, Oregon, Rhode Island e Vermont e o Distrito de Columbia.

Por seu lado, os estados que aderiram à ação judicial do Texas contra as medidas de Obama são Alabama, Arizona, Arkansas, Carolina do Norte, Carolina do Sul, Dakota do Norte, Dakota do Sul, Flórida, Geórgia, Idaho, Indiana, Kansas, Louisiana, Maine, Michigan, Mississippi, Montana, Nebraska, Nevada, Ohio, Oklahoma, Tennessee, Utah, West Virginia e Wisconsin.


Governo americano concederá visto de trabalho a partir de abril

Previous article

Aspirina diminui risco de câncer color retal, mas não para todos

Next article

You may also like

1 Comment

  1. Acho que o presidente Obama, deveria também facilitar o visto de residência, aos que estão legais no país, lutando por esse visto.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Notícias