Léa CamposNotícias

Léa Campos: Diferenças de Personalidade

0

lea campos (2)Em 2011 quando vi Neymar jogar pela primeira vez, eu disse que para mim ele era uma farsa, não apenas pelo futebol jogado naquele jogo, mas pelo endeusamento feito pela imprensa, chegando a dizer que ele seria o novo “Pelé” e o apelidaram de ” A joia”.

Escrevi uma crônica naquele então sob o título de joia de lata. Alguns me criticaram, outros concordaram.

Neymar pertence a uma safra de jogadores que o importante é aparecer, ser notícia a todo custo.

A prova disso foi ele ter estado com Justin Bieber, Serena Williams e Jordan nos cassinos em Las Vegas, o exibicionismo dele com modelos famosas, o descaso dele com a mãe do próprio filho, enfim ele não me convence nem dentro, nem fora do campo.

lea campos (1)O Mundial 2014 é a maior prova do mau caratismo dele ao simular uma contusão que não existiu, o que colocou a vida do jogador colombiano (que fez a falta) e de sua família em risco.

Como teve uma vértebra fraturada, se no jogo seguinte ele estava em campo ajudando Felipão e incentivando o time e duas semanas mais tarde estava em uma praia na Espanha com a modelo de plantão e os amigos de sempre?

Agora, após a ” Canarinha” ter sido eliminada pelo Peru, “A Joia” de lata, despeja uma série de palavras de baixo calão para, na opinião dele, defender o selecionado brasileiro e seu técnico.

Todos já sabíamos, e o próprio Dunga enfatizou, que o foco dele é a olimpíada.

Deixando a tristeza da eliminação de lado, vou opinar sobre o positivo que esta seleção nos passou.

Me refiro a Phillipo Coutinho. É uma grande promessa, um garoto de 24 anos que joga para o time e que não está preocupado em se exibir, com pedaladas, muito em moda no Brasil atual, a meta de Coutinho é que a equipe saia vitoriosa.

Infelizmente, a seleção não correspondeu à luta dele dentro do campo, mas com certeza ele deixou sua marca, e se há justiça no comando dessa desastrada seleção, esperamos vê-lo nas Olimpíadas em agosto.

Um jogador que joga para o coletivo da equipe, sem estrelismo, sem prepotência e arrogância, a humildade é a marca dele e creio que os que o viram jogar na Copa Centenário vão concordar comigo.

Coutinho merece a mesma chance que foi auferida ao craque “cai, cai”, ele não precisa usar a seleção como janela porque ele já está na Europa, joga no Liverpool, depois de ter sido contratado pelo Internazionale e ter passado  pelo Espanyol, e nem precisou implorar ao técnico do time italiano  para pedir sua contratação, porque ele foi contratado quando jogava no Vasco e como era menor, o time do país da Pizza o manteve na Gávea até ter a idade permitida pela FIFA para transferência de jogadores.

A mesma opinião que tenho sobre Coutinho é corroborada por Filipe Luís, atualmente no Atlético de Madri, que não economiza elogios ao companheiro de seleção, quando fala sobre como é fácil jogar com ele e por aceitar críticas dos companheiros sem rebeldia, é de uma humildade invejável.

INHO, INHO, INHO, COUTINHO NA”CANARINHO”.

 

Informar é um privilégio, informar corretamente uma obrigação. 

Léa Campos


Social Press . 16/06/2016

Previous article

Susan Clayre: Festa Junina em New York, veja as fotos

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Léa Campos