ComunidadeDestaquesNotícias

‘Dor que não tem cura’, lamenta irmão de capixaba morto por tubarão nos EUA

0

Arthur Medici foi atacado nas pernas enquanto praticava body board em Cape Cod. A família agora aguarda a chegada do corpo para o velório e enterro no próximo sábado (22).

“É uma dor que não tem cura”, define o jovem Marcus de Melo, irmão mais velho do capixaba Arthur Medici, que morreu após ser atacado por um tubarão na baía de Cape Cod, em Massachusetts, Estados Unidos. A família agora aguarda a chegada do corpo para o velório e enterro no próximo sábado (22). Arthur tinha 26 anos e morava nos Estados Unidos há quatro, onde estudava engenharia e trabalhava como entregador de pizza. Ele praticava body board quando foi atacado pelo tubarão nas pernas, chegou com vida no hospital, mas não resistiu. A morte aconteceu por volta das 12h de Boston (13h de Brasília), no último sábado (15). Ele foi a primeira vítima fatal de ataque de tubarão em 80 anos no estado. Marcus contou como a família está encarando o luto, lidando ainda de longe com a dor e a perda.

Resultado de imagem para Arthur Medici

“Eu encaro isso com dor, porque a gente nunca tá preparado pra perda, ainda mais de alguém tão especial e amável quanto meu irmão. Mas pra minha mãe tá sendo mais difícil, porque dor de mãe é diferente de dor de irmão. A coisa que eu mais tento fazer todos os dias é tentar confortar, porque curar, não tem cura”, disse. Marcus lembra que Arthur estava feliz na manhã que estava indo para Cape Cod. Ele estava junto com um cunhado, também brasileiro, e mandou um vídeo para a família a caminho da praia onde foi atacado. O irmão Marcus contou que Arthur era uma pessoa muito querida por quem o rodeava, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos. “O Arthur era uma pessoa que sempre estava feliz. Todo mundo era cativado por ele, era tão carismático que eu recebo mensagens de pessoas que nunca vi na vida”, contou o irmão.

Resultado de imagem para Arthur Medici

Chegada do corpo

O corpo de Arthur deve chegar ao Brasil na sexta-feira (21) de manhã, no aeroporto do Rio de Janeiro. O custo desse translado é altíssimo: U$ 25 mil. A família vai conseguir fazer o enterro no Brasil graças a ajuda de amigos. Mais de 450 pessoas fizeram doações pela internet para levantar esse dinheiro. O velório e o enterro vão acontecer no sábado (22) à tarde, em Vila Velha. Antes disso, um velório está sendo preparado para Arthur nos Estados Unidos, para que os amigos tenham a chance de se despedir e fazer homenagens.

Imagem relacionada


Imigração: EUA limitam a 30.000 admissão de refugiados em 2019

Previous article

Social Press . 20/09/2018

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Comunidade