ComunidadeDestaquesNotícias

Urgente: Trump demite John Bolton, conselheiro de segurança nacional

0

Presidente dos EUA anunciou demissão no Twitter; ele disse que vai nomear novo conselheiro na próxima semana. Bolton visitou o Brasil em novembro do ano passado.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, demitiu nesta terça-feira (10) o conselheiro nacional de segurança, John Bolton. Ele foi o terceiro a ocupar o cargo durante a presidência de Trump, e assumiu o posto em março do ano passado. O motivo da demissão foram “discordâncias fundamentais” sobre como lidar com políticas externas em relação ao Irã, Coreia do Norte e Afeganistão, segundo o jornal “The New York Times”. Em novembro de 2018, Bolton visitou o Brasil e se reuniu com Jair Bolsonaro. Ele foi o primeiro emissário do governo Trump a visitar o então presidente eleito.

Trump anunciou a demissão de Bolton no Twitter: “Eu informei a John Bolton ontem à noite que os serviços dele não são mais necessários na Casa Branca. Eu discordei veementemente com muitas das sugestões dele, assim como outros [o fizeram] na administração, e, assim… eu pedi a John sua carta de demissão, que me foi entregue nesta manhã. Eu agradeço muito a John pelo seu trabalho. Irei nomear um novo Conselheiro de Segurança Nacional na semana que vem”, escreveu o presidente americano.

Na foto, de fevereiro de 2019, Trump aparece assinando um memorando com John Bolton, agora ex-conselheiro de segurança nacional, ao fundo (de óculos). — Foto: Leah Millis/Reuters

As tentativas do governo Trump de buscar aberturas diplomáticas com inimigos dos EUA, como o Irã e a Coreia do Norte, desagradam funcionários como Bolton – que não confiava nos dois países, diz o “New York Times”. A tensão entre os dois foi agravada nos últimos meses pelas decisões de Trump de suspender um ataque aéreo ao Irã – planejado em retaliação à derrubada de um drone americano – e de se encontrar com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, na Zona Desmilitarizada, além de atravessar a fronteira entre as duas Coreias.

Além disso, o presidente americano continua a dialogar com o líder da Coreia do Norte apesar da recusa dele em renunciar ao seu programa nuclear – e dos repetidos testes com mísseis de curto alcance. Trump também manifestou vontade de se encontrar com o presidente Hassan Rouhani, do Irã, e até de estender financiamento a curto prazo a Teerã. A oferta, entretanto, foi rejeitada. Apoiadores de Bolton afirmam, segundo o jornal americano, que o agora ex-conselheiro seria a pessoa capaz de frear o que temiam ser uma diplomacia ingênua – que Bolton seria capaz de evitar estragos no mandato de um presidente sem experiência em política externa. Trump, entretanto, reclama há muito tempo, em particular, que Bolton estava disposto a levar os Estados Unidos a outra guerra.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, e o conselheiro de Segurança dos EUA, John Bolton, tomam café da manhã no Rio de Janeiro — Foto: Divulgação/Assessoria do presidente eleito

Visita ao Brasil

Bolton visitou o Brasil em novembro do ano passado. Ele se encontrou com o então presidente eleito Jair Bolsonaro na casa dele, no Rio de Janeiro. No encontro com Bolton foram discutidos assuntos como o comércio entre os dois países, a situação da Venezuela, relações comerciais com a China e segurança. Na ocasião, John Bolton elogiou a eleição de Bolsonaro e disse que o fato era um sinal positivo para a América Latina. Em fevereiro deste ano, Bolton também se encontrou com o ministro de Relações Exteriores brasileiro, Ernesto Araújo, em Washington.

Belicista

Dono de frases polêmicas e de uma fama de belicista e nacionalista, John Bolton já foi embaixador temporário dos Estados Unidos na ONU e figura-chave da Guerra do Iraque. O cargo na ONU ele abandonou quando percebeu que não teria sua nomeação aprovada pelo Senado americano, como informa a rede BBC.

Chanceler alemã, Angela Merkel fala com o presidente dos EUA, Donald Trump, durante cúpula do G7 — Foto: Bundesregierung/Jesco Denzel/Handout via REUTERS

Há décadas ele é uma figura proeminente em política externa no círculo republicano, tendo participado dos governos de Ronald Reagan, George Bush e George W. Bush. A maioria dos postos que ocupou estavam nos departamentos de Justiça e de Estado – o equivalente americano ao Ministério de Relações Exteriores. Bolton é um defensor do “poder americano” e do fortalecimento das fronteiras. Ele já defendeu atacar a Coreia do Norte e o Irã. Ele defendeu bombardeios americanos contra os iranianos em 2008 e em 2015, enquanto o então presidente Barack Obama costurava um acordo de paz entre os dois países – depois desfeito por Trump. Durante a Assembleia Geral da ONU de 2018, em Nova York, Bolton ameaçou o governo do Aiatolá Ali Khamenei sobre “sérias consequências” caso o país desafiasse os EUA – fala descrita como a mais agressiva da diplomacia americana contra o Irã “em décadas”.

O ex-conselheiro de segurança nacional de Donald Trump, John Bolton. — Foto: Joshua Roberts/Reuters


VÍDEO: Deputado Luis Miranda é acusado de dar golpe milionário em investidores nos EUA

Previous article

Por Amazônia, deputado dos EUA propõe lei para banir importações do Brasil

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Comunidade