DestaquesNotíciasUSA

Texas e Louisiana processam governo Biden de colocar americanos em risco

0

Os estados do Texas e Louisiana entraram com um processo contra o governo federal na terça-feira, 6 de abril, argumentando que as autoridades de imigração se recusaram a assumir a custódia de pessoas que foram condenadas por crimes e podem estar sujeitas à deportação.

Eles argumentam perante o tribunal federal de Houston, que as mudanças na política de imigração da administração do presidente Joe Biden permitem que os imigrantes que foram condenados por crimes sejam libertados no final de suas sentenças, em vez de serem detidos para procedimentos de deportação.

Alegam que os agentes da Imigração e Fiscalização Alfandegária não solicitaram ou retiraram os pedidos para que as prisões estaduais prendessem esses indivíduos em vez de liberá-los para a comunidade. “Dezenas” desses locais foram desocupados no Texas e pessoas sujeitas à deportação foram soltas na Louisiana, de acordo com o processo, que não cita casos específicos e pedem a um juiz que declare ilegal algumas das ações executivas do governo Biden sobre a imigração.

“A lei e a ordem devem ser mantidas e aplicadas imediatamente para garantir a segurança de nossas comunidades”, disse o procurador-geral do Texas, Ken Paxton, em um comunicado. “Estrangeiros sem documentos perigosos e violentos devem ser removidos de nossas comunidades conforme exigido pela lei federal”.

O ICE e o Departamento de Justiça não quiseram comentar.

O processo vem menos de dois meses depois que as autoridades do Texas disseram que o ICE estava preparado para libertar três homens condenados por crimes sexuais contra crianças, em uma aparente aplicação incorreta das diretrizes de conformidade de Biden.

Os homens não foram libertados, mas Jason Clark, chefe de gabinete do Departamento de Justiça Criminal do Texas, disse em fevereiro que eles estavam entre as 26 pessoas para as quais o ICE havia retirado os pedidos de “prisão”. A maioria dos 26 foram condenados por uso de drogas ou delitos de dirigir embriagado, de acordo com registros estaduais.

No primeiro dia de Biden no cargo, o Departamento de Segurança Interna emitiu um memorando instruindo as agências de imigração a concentrar seus esforços de aplicação da lei em três categorias: ameaças à segurança nacional e pública e imigrantes que entraram ilegalmente no país em ou após 1º de novembro. O memorando foi um desvio da prática durante a administração do presidente Donald Trump, quando as agências de imigração tiveram ampla liberdade sobre quem prender, deter e deportar.

Mas as pessoas condenadas por crimes sexuais contra menores ainda podem ser detidas e deportadas. O memorando define ameaças à segurança pública como pessoas encarceradas “que foram condenadas por um ‘crime agravado'”, conforme definido na lei de imigração. A parte relevante da lei começa: “O termo crime agravado significa assassinato, estupro ou abuso sexual de um menor”.


Após 18 meses Coney Island reabrirá parques de diversões

Previous article

Vários trechos de estradas que conectam New Jersey e Pensilvânia terão reajuste de pedágio

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Destaques