DestaquesNotíciasUSA

Guatemala e EUA se unem para acabar com as ondas de imigração ilegal

0

Os Estados Unidos e a Guatemala criarão uma nova força-tarefa conjunta de proteção de fronteiras para impedir a imigração e fornecer segurança, anunciou o governo da Guatemala. Pedro Brolo, ministro das Relações Exteriores da Guatemala, fez o anúncio em entrevista coletiva na segunda-feira e disse que havia feito parte da conversa via zoom que a vice-presidente Kamala Harris e o presidente guatemalteco Alejandro Giammattei realizaram no mesmo dia.

Em um comunicado à imprensa, Symone Sanders, porta-voz de Harris, disse que os EUA ofereceram US $ 320 milhões para ajuda humanitária imediata e para combater a insegurança alimentar. Sanders disse que a Guatemala se comprometeu a melhorar e fortalecer suas fronteiras norte e sul, e que ambos os países aprofundarão a cooperação bilateral para combater traficantes de pessoas e drogas “incluindo a implantação de uma Unidade Móvel Tática de Interdição voltada para o desmantelamento de atividades criminosas transnacionais na Guatemala”.

O chanceler explicou ainda que, com o apoio dos Estados Unidos, serão construídos centros de repatriados para abrigar deportados para que haja uma transição para suas comunidades. Ele também disse que a Guatemala quer ter uma presença mais forte nos Estados Unidos devido à situação atual de chegada de crianças desacompanhadas à fronteira com os Estados Unidos. O chanceler explicou que pelo menos 233 menores desacompanhados, dos 700 que cruzam a fronteira diariamente, são guatemaltecos.

Harris, designada como a principal interlocutora do governo dos Estados Unidos com as autoridades centro-americanas, disse no encontro com Giammattei que o governo dos Estados Unidos está disposto a ampliar o apoio econômico ao país, a fim de enfrentar as causas que originam a migração para os EUA.

A vice-presidente dos Estados Unidos também disse que gostaria de trabalhar com o governo da Guatemala em outras causas de migração. Por sua vez, Giammattei disse que seu governo estava muito interessado em ser parceiro dos Estados Unidos e trabalhar por objetivos comuns. Ele também propôs ter um roteiro pronto que identifica um acordo de governo para governo. Harris confirmou sua visita ao país centro-americano em junho deste ano.

As medidas foram anunciadas no mesmo dia em que os EUA sancionaram um congressista e um ex-funcionário guatemalteco que havia pago propinas a congressistas e juízes para garantir proteção em casos de corrupção que enfrentam em seu país. O presidente Joe Biden fez da luta contra a corrupção na América Central uma prioridade para criar condições políticas, sociais e econômicas que incentivem a população a permanecer em seus países em vez de migrar para o norte.

Tiziano Breda, especialista em questões da América Central do Crisis Group, disse à Associated Press que a sanção destaca que embora o governo Biden esteja comprometido em trabalhar com a Guatemala na questão da imigração, “a cooptação de tribunais e do Congresso são linhas vermelhas que podem afetar a cooperação dos Estados Unidos com o país em outras questões ”. Breda explicou que os Estados Unidos escolheram a Guatemala como seu principal parceiro “por enquanto”, dada a relação às vezes conflituosa com Nayib Bukele em El Salvador e a polêmica posição de Juan Orlando Hernández em Honduras. Os três países formam o que é conhecido como “Triângulo Norte” da América Central.


Em coalizão com várias agências de investigações polícia de Newark desmantela gangue

Previous article

No bolso: Atlético-MG “deve” R$ 19 mil à Conmebol por vermelho e amarelos na Libertadores

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Destaques