BrasilDestaquesNotícias

Polícia Federal extradita para os EUA narcotraficante colombiano preso no Ceará

0

O narcotraficante Guilhermo Amaya Ñungo, de 57 anos, foi extraditado para os Estados Unidos na sexta-feira (04.jun) depois de ficar 1 ano e 9 meses preso na sede da Polícia Federal em Fortaleza. Ele foi detido em setembro de 2019 e responde por tráfico internacional de drogas.

Guilhermo é colombiano e integrava as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). A saída do prédio da PF contou com apoio da Agência de Combate às Drogas dos Estados Unidos (DEA). Conhecido como “El Patrón“, o colombiano foi preso enquanto buscava sua filha na escola no Bairro Messejana, na capital cearense. O governo brasileiro firmou um acordo com os Estados Unidos para limitar a pena de Guilhermo a 30 anos de prisão. O ministro Edson Fachin argumentou em seu voto que o sistema de justiça americano garantiu que o tempo de prisão de Guilhermo no Brasil seria reduzido da pena decretada no país norte-americano.

A extradição do colombiano foi decidida por unanimidade em setembro de 2020, depois do julgamento do Supremo Tribunal Federal. A Segunda Turma do STF recebeu o pedido do governo americano. O documento relatava dois processos: o 1º foi aberto em 2007 no Tribunal Federal dos Estados Unidos do Distrito Leste do Texas e investigava um esquema de comércio internacional de cocaína. O transporte da droga saia da Colômbia em direção aos EUA e contava com pistas de apoio na América Central e aeronaves próprias. As cargas variavam de 100kg a 2,5 toneladas.

O documento detalha que o transporte de drogas era feito também com o uso de embarcações marítimas e passava por Belize, Venezuela, Panamá, Costa Rica, Honduras, Guatemala, República Dominicana e México. O 2º processo apura o transporte de 1.600kg de cocaína em um voo que saiu da Venezuela. Segundo as investigações, Guilhermo entrou no Brasil a pé em Pacaraima, município em Rondônia que faz fronteira com a Venezuela. Ele usava o nome falso de José Jesus Rodríguez Hernandez e disse que estava há 3 meses em Fortaleza no dia da sua prisão. O colombiano morava com sua esposa e duas filhas em um condomínio de luxo no Bairro Lagoa Redonda.

Depoimento

Guilhermo prestou depoimento na 11ª Vara da Justiça Federal no Ceará, em dezembro de 2019. Ele afirmou que sua prisão foi motivada por movimentos políticos. O colombiano negou que tivesse envolvimento com tráfico e drogas e afirmou que trabalhava na Venezuela como produtor agropecuário. Em seu depoimento, “El Patrón” disse que era dono de uma fazenda que começou a ser usada pelo então presidente Hugo Chávez para encontros com grupos de guerrilhas. Disse também que, por ser proprietário do terreno, era obrigado a passar informações entre Exército e guerrilhas. Ainda de acordo com Guilhermo, ele saiu da Venezuela por medo de ser assassinado. // Poder360


Mãe tenta se passar por filha de 13 anos em escola no Texas e acaba presa

Previous article

Congressistas dos EUA pedem que governo Biden explique como foi cooperação entre americanos e Lava Jato

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Brasil