BrasilDestaquesNotícias

Entenda por quê o dólar continua caindo no Brasil mesmo com aumento dos juros nos EUA

0

Divulgado na tarde desta quarta-feira, 16, o documento da reunião do Comitê de Política Monetária (FOMC, na sigla em inglês) do Federal Reserve Bank realizada nos dias 25 e 25 de janeiro apontou que os integrantes afirmaram que a alta da taxa de juros nos Estados Unidos ocorrerá em breve e ela deve se acelerar caso a inflação não arrefeça no país.

“A maioria dos participantes observou que, se a inflação não cair como eles esperavam, seria apropriado que o Comitê removesse a acomodação de políticas em um ritmo mais rápido do que eles antecipam”, disse o documento.

A alta dos juros nos EUA provoca expectativa em todo mundo, já que a tendência é que investimentos por lá fiquem mais atrativos. Porém, no Brasil, o dólar segue em ciclo de desvalorização tanto em relação às moedas de países desenvolvidos quanto de emergentes. Nesta quarta-feira, o dólar comercial encerrou em queda de 1%, a 5,12 reais. O motivo da queda é a busca dos investidores por ativos baratos diante dos mercados americanos atingindo máximas de preço históricas. O Brasil, especificamente, possui ativos atrativos devido à queda do Ibovespa no ano passado e ao câmbio ainda desvalorizado.

“A ata não trouxe nenhuma grande surpresa e novidade, o mercado já estava precificando o que foi sinalizado ela só confirmou uma postura mais dura no curto prazo e uma redução do balanço de Títulos, que deve vir de forma mais rápida e agressiva do que a que a gente viu em 2017 e 2019”, diz Victor Beyruti, analista da Guide Investimentos.

Inflação americana

O cenário trazido pelo FED, entretanto, mostra os desafios para a economia americana. A inflação por lá não está cedendo. Na semana passada, o índice anual de janeiro divulgado pelo Departamento de Estatísticas do Trabalho dos Estados Unidos mostrou que os preços cresceram 7,5%, a maior alta em 40 anos, pressionada principalmente por alimentação e energia. Junto com os dados da inflação, a rápida recuperação dos empregos no país já estava levando o mercado a precificar uma alta de juros mais rápida na próxima reunião do FOMC nos dias 15 e 16 de março, de 0,50 ponto percentual, e não 0,25, como previsto anteriormente. Já para o final do ano a expectativa dos juros subiu de 0,75% para entre 1,5% e 1,75% no final de 2022. // Fonte: Veja Online.


Empresa privada de detenção testará sistema de prisão domiciliar para imigrantes nos EUA

Previous article

Projeto de lei quer impedir prisões de imigrantes dentro e ao redor de tribunais

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Brasil