Suicídio e desespero: A realidade dos jovens imigrantes em centros de detenção

Suicídio e desespero: A realidade dos jovens imigrantes em centros de detenção
13 setembro 16:48 2018 Imprimir

Uma investigação da ProPublica e da Mother Jones tem sido confrontada com centenas de imigrantes indocumentados que vivem em centros de detenção em Chicago.

Para muitos nos EUA, os menores e detidos sem documentos separados das suas famílias na fronteira são apenas uma imagem abstrata. Poucos podem realmente imaginar, muito menos compreender em primeira mão o cotidiano dessas crianças, desde crianças pequenas a adolescentes desesperados que só pensam em tirar a própria vida. A ProPublica Illinois e a Mother Jones publicaram uma série de dados, recentes e há alguns anos, sobre “nove abrigos financiados pelo governo federal na área de Chicago” e operados pela Heartland Human Care Services. Embora as informações reflitam a realidade específica dos abrigos em Illinois, elas são, sem dúvida, uma amostra de situações simultâneas espalhadas pelo território nacional.

“Os documentos revelam as rotinas de vida dentro dos abrigos, dias pontuados por tédio e medo enquanto as crianças esperam, esperam e esperam para sair”, explica a ProPublica. “Eles passam seus dias fazendo aulas de inglês e aprendendo sobre peculiaridades como gíria americana (…) reclamam da comida e maus-tratos da equipe, e choram, escrevem cartas e se machucam em desespero.”

Os testemunhos e registros nos centros de detenção de Illinois demonstram o dano emocional e físico sofrido pelos jovens em detenção, bem como a negligência a que são submetidos por organizações que lucram com as medidas anti-imigrantes do governo. Somente nessa região, o tempo médio de detenção durante o ano fiscal de 2017 foi de 34 dias consecutivos. De acordo com o relatório, durante a campanha “tolerância zero” do governo Trump, o tempo médio de detenção aumentou para 59 dias. Alguns casos relatam a detenção de jovens por até 598 dias.

O desespero é o sintoma mínimo que um menor pode enfrentar em tais condições. Mesmo quando os abrigos tentam cumprir todos os requisitos e satisfazem as necessidades de cada uma das mais de 3.000 crianças separadas de suas famílias, as circunstâncias não funcionam a seu favor. De acordo com funcionários dos abrigos em Illinois, o processo de localizar um guardião adequado para tomar conta deles depois de terem fugido de seus países e ter sido detido tanto tempo Mesmo com esses registros, o governo federal insiste em tentar evitar procedimentos legais e reverte o Acordo de Flores que impede a detenção de menores por períodos de tempo superiores a 20 dias.

  Editorias:




Escreva um comentário

Nenhum comentário

Nenhum comentário ainda...

Seja o primeiro a comentar!.

Publique seu comentário

Your data will be safe! Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person.
All fields are required.