National Security compartilhará informações sobre status com o Census Bureau

National Security compartilhará informações sobre status com o Census Bureau
09 janeiro 13:07 2020 Imprimir

O Departamento de Segurança Interna (DHS) compartilhará informações sobre o status de cidadania dos indivíduos com o Census Bureau em resposta à ordem do presidente Donald Trump, de coletar dados sobre quem é cidadão e quem não é, emitido após o Supremo Tribunal impedir a pergunta sobre cidadania no censo de 2020.

A ordem de Trump gerou uma ação legal, mas o DHS disse que cumprirá enquanto o assunto não for resolvido e indicou que compartilhará as informações para ajudar o Census Bureau a determinar quantos cidadãos existem no país e também quantas pessoas existem sem autorização de residência.

As informações a serem compartilhadas incluem dados pessoais, de acordo com o DHS. Por lei, o Census Bureau não pode divulgar os dados pessoais das pessoas e a agência afirma em um livreto informativo que “suas respostas só podem ser usadas para gerar estatísticas. Elas não podem ser usadas contra elas de nenhuma maneira”.

Entre os dados que o DHS compartilhará estão o número de identificação de estrangeiros, o país de nascimento e a data em que o processo de naturalização foi realizado ou iniciado. O DHS diz que espera uma resposta para a questão de saber se pode disseminar informações sobre pedidos de asilo e refúgio, que geralmente não podem ser divulgadas.

Como o status de uma pessoa pode mudar com o tempo, é possível que as informações fornecidas pelo DHS não sejam precisas, de acordo com Andrea Senteno, advogada do Fundo Mexicano de Defesa e Educação Legal, uma organização de defesa dos direitos civis que questionou a Ordem de Trump nos tribunais de Maryland.

“As informações que estão circulando se uma pessoa não é cidadã ou sobre seu status de imigração terão muitos buracos”, disse Senteno. O documento do DHS admite que o Census Bureau provavelmente atribuirá um status de imigração errado a algumas pessoas, que as pessoas não poderão corrigir erros e que as informações do DHS serão erroneamente vinculadas a outros dados de diferentes fontes usadas pelo Census Bureau. O registro resultante para cada pessoa “provavelmente não é 100% exato”, diz o documento do DHS.

Trump ordenou ao Census Bureau que coletasse informações sobre cidadania usando registros administrativos de agências federais e dos 50 estados depois que o Supremo Tribunal decidiu contra sua decisão de incluir a questão da cidadania nos formulários do censo. O governo disse que sua intenção era facilitar o cumprimento da Lei dos Direitos de Voto, que protege o acesso das minorias às pesquisas. Mas o presidente da Suprema Corte, John Roberts, se juntou aos quatro juízes mais liberais e disse que a justificativa dada pelo governo “parece forçada”.

Aqueles que se opõem à inclusão da questão da cidadania dizem que ela afugentará imigrantes, hispânicos e outros setores, que deixarão de participar dessa contagem a cada dez anos. Essa contagem determina a alocação de bancos na câmara baixa e a distribuição de US $ 1,5 bilhão em fundos federais. As informações de cidadania permitiriam aos estados criar distritos eleitorais com base em cidadãos em idade de votar e não na população total, de acordo com a ordem de Trump. A constituição estipula que os distritos eleitorais devem ser armados com base no número de pessoas, não cidadãos, que moram lá. Há quem teme que, se apenas cidadãos forem usados, distritos eleitorais menos diversos estejam armados e com maior probabilidade de votar nos republicanos.

  Editorias:




Escreva um comentário

Nenhum comentário

Nenhum comentário ainda...

Seja o primeiro a comentar!.

Publique seu comentário

Your data will be safe! Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person.
All fields are required.