MundoNotícias

Reino Unido acredita que talvez vacina da covid-19 deverá ser tomada uma vez ao ano

0

Depois de aprovada, uma vacina contra o novo coronavírus pode ter de ser tomada anualmente, como a da gripe, segundo a gerente da força-tarefa do Reino Unido para encontrar uma vacina contra a doença, Kate Bingham.

Em entrevista à Bloomberg TV, Bingham afirmou que “não estamos vendo evidências de uma imunidade a longo prazo daqueles que contraíram o vírus”. Segundo ela, as evidências mostram que os anticorpos dos infectados caem ao longo do tempo. “É improvável que uma vacina fique pronta até o final do ano”, completou Bingham. Apesar disso, o Reino Unido se diz “otimista” em relação a uma vacina contra a covid-19.

Na semana passada, três vacinas tiveram sucesso em fases diferentes de testes clínicos. Foram elas a da Universidade de Oxford em parceria com a empresa AstraZeneca, a chinesa do Instituto de Biotecnologia de Pequim e a americana da Pfizer em parceria com a empresa alemã de biotecnologia BioNTech. Os projetos se mostraram seguros em testes com humanos e foram capazes de induzir os voluntários a uma resposta imunológica.

Na segunda-feira, 27, a farmacêutica Moderna inicia a última fase de testes para a sua vacina contra o novo coronavírus, que deve durar até outubro deste ano. A vacina da companhia, que foi a primeira a realizar testes em humanos desde o início da pandemia, agora será testada em 30.000 pessoas em 87 localidades diferentes nos Estados Unidos.

Os estudos divergem em relação a duração de uma imunidade contra o SARS-CoV-2 sem uma vacina. Enquanto para outros casos de coronavírus os anticorpos chegaram a durar por até quatro anos, em alguns casos da covid-19 os anticorpos têm uma duração menor. Um estudo recente feito pelo King’s College de Londres apontou que os níveis de anticorpos contra a covid-19 atingem o pico três semanas após o início dos sintomas, mas depois diminuem rapidamente nas semanas seguintes.


Listening and Understanding Those Wounded Souls

Previous article

Espião chinês recrutava informantes americanos no LinkedIn

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Mundo