BrasilNotícias

No Brasil, passagens aéreas têm aumento de 56,8% e frustram planos de viagem

0

O preço das passagens aéreas segue em decolagem. A inflação generalizada pesou sobre o preço dos bilhetes aéreos nos últimos meses. Nos últimos 12 meses, as passagens aéreas tiveram alta de 56,81%, ficando atrás apenas de quatro itens, três deles do grupo de alimentos e o etanol.

Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que revelou que a alta nas passagens aéreas chega a ser cinco vezes maior que o índice geral da inflação acumulada de 12 meses, que ficou em 10,25%, o maior índice desde fevereiro de 2016.

A alta se explica sob diversos fatores, entre elas, o aumento do preço dos combustíveis, item sensível para as passagens, uma vez que um dos principais custos para as companhias aéreas é o do querosene de aviação, que segundo relatório da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o litro de querosene aumentou 91,7%.

Por outro lado, outro fator que explica as altas nos preços, são as demandas causadas pela retomada da economia e do aumento da demanda devido ao avanço da vacinação, uma vez que ao menos 70% dos brasileiros já se vacinaram com ao menos uma dose. A busca pelas passagens nem sempre é acompanhada por uma oferta suficiente das companhias.

A Anac apontou aumento nos meses de abril, maio e junho, e comparando com os mesmos meses no ano passado, o avanço no preço médio dos voos domésticos foi de 21,7%, embora a variação do tíquete médio possa ser explicada pela queda que sofreu no segundo trimestre de 2020, quando a pandemia fez reduzir a oferta de voos em 90%.

Questionada pela reportagem do Estadão sobre as altas, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) afirma que o levantamento da Anac é o que “melhor retrata o comportamento das tarifas aéreas”, já que considera todos os bilhetes comercializados num determinado período, enquanto o IPCA, do IBGE, considera um recorte específico de datas e de destinos mais visitados.

Em nota, a Abear destaca que, no segundo trimestre deste ano, a tarifa média doméstica caiu 19,98% em relação ao mesmo trimestre de 2019, anterior à pandemia. “O preço médio do bilhete foi de R$ 388,95, ante R$ 486,10. O ‘yield tarifa aérea’ (valor pago pelo passageiro por quilômetro voado), por sua vez, teve retração de 32,3% no segundo trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2019”, afirmou.

Já as companhias aéreas deram explicações diferentes para o problema: a Azul relatou que a alta do dólar e do combustível influenciaram nos valores, a Gol procurou informar que disponibiliza passagens com até 330 dias de antecedência, onde se pode encontrar valores mais baratos, e a Latam explicou que para definir o preço da passagem, é preciso levar em conta que 65% dos custos da empresa são dolarizados, e 35% correspondem aos combustíveis, um dos grandes vilões da inflação.


Seis brasileiros são presos no Paraguai suspeitos de participarem de chacina

Previous article

NY tem nova legislação que protege imigrantes indocumentados de ameaças de denúncia ao ICE

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Brasil