ColunistasFrancisco SampaNotícias

Francisco Sampa: Quero leis que governem homens e não homens que governem leis

0

francisco_sampaEsta  frase  do gaúcho Honório Lemes Xiru, velho da fronteira conhecido como “Leão do Caverá”, o tropeiro   da liberdade,  figura legendária e respeitada  nos  pampas e em todo o Rio Grande  do Sul, homem da lida do campo que fez  história  na Serra do Caverá, lá se foram os maragatos  e os ximangos para trás, ficou  a história e as lições  nem sempre   seguidas do maior conflito armado da história do Brasil,  a Revolução  Farroupilha,   logo  no início do segundo império em 1835, que durou até 1845. Foram dez anos de luta e muito  sangue  sobre as terras do  sul  no rincão brasileiro.

Quase 200  anos  já se passaram,  várias crises   e todo tipo de república  já vimos na Terra Brasilis: a Nova, a Velha, o Estado  Novo, a Ditadura, a Abertura, a Redemocratização da Nação. Várias leis são criadas, muitas desrespeitadas,  quase nenhuma é cumprida. Os homens   do Brasil  dos poderes legislativo, vereadores, deputados e senadores legislam em causa própria, na maioria das vezes  visando seus interesses   futuros em detrimento da nação brasileira.  o privado  subjugando o público,  o jugo  do poder sobre o povo que os escolhem, aliás  obrigados a escolher, já que somos obrigados a votar, no poder  judiciário dá   pena e revolta  as notícias    na imprensa brasileira.  O executivo  está pela hora da morte, nas devidas  proporções  estamos numa fase quase que ditatorial, onde grupos se  juntam   em prol de seus interesses individuais para  lapidarem,   com amparo de leis feitas    na calada da noite,   com a intenção de aumentarem  o patrimônio  privado,  dilapidando o erário  público  da  imensa e rica nação brasileira.

Temos CPIs para todos os gostos, onde   “Vossas  Excelências”, data vênia, picaretas  de  paletó e gravata,  zombam da cara do  povo brasileiro, povo  este  que por sua vez, sob a pecha de  gente  humilde e pacata se deixa levar por estes fatos que assolam a República Federativa Brasileira. A Constituição  dos EUA,  a  Carta Magna  da grande  nação do norte,  foi escrita e assinada por  55 representantes do  povo   norte americano, que se  reuniu na Convenção de  Filadélfia  no  ano de 1787, e está protegida na rotunda do Arquivo Nacional dos EUA em Washington DC,  capital do país,  guardada numa caixa de vidro à prova de  bala e umidade e a noite é  guardada  num cofre  de  aço inoxidável revestido  por  uma laje  de  concreto  de   mais de  50  toneladas, à prova de um ataque  nuclear.

Já a Constituição  da República Federativa do Brasil,  nossa amada e idolatrada  pátria mãe,  às vezes gentil, está por aí sendo desrespeitada pelos homens  que  ajudaram a escrever e não  cumprem o que lá está escrito. Representantes do povo  que legislam e atuam em causa própria, visando lucros e  benesses  para si  e os seus, até quando   veremos tudo isso  e nos calaremos? Vamos gritar, lutar  para que as  leis governem os  homens e   não   que   eles as governem,   legislando em causa própria. A redução  da maioridade  penal está  na moda, todos querem,   a sociedade  clama  por leis, mas é   bom lembrar  que   novas leis   não significa  que  a justiça  será  feita. Reduza-se  a maioridade,  mas   que sejam criados  mecanismos para educar , punir  e  recuperar todos os  que  caem  às margens  das leis e da  sociedade. Aumente-se o prazo  de   re-socialização  de  3  para 8 anos e  todo  menor  que  cometa um crime considerado  hediondo ou  com requintes  de crueldade  que   o  braço forte da lei cai sobre  ele,  mas que a mão amiga  da justiça cuide  da   nossa  sociedade como um todo, já que  um menor  de 16 anos   sabe discernir quem serve ou  não para ser vereador, prefeito, deputado, estadual ou federal, governador, senador e presidente da república,  ele também sabe a  diferença entre o certo e o errado, portanto que  a lei  seja aplicada  com o máximo rigor sobre todo transgressor,  seja ele maior  ou menor de idade.  Na idade  eles são  menores,   mas  os  danos  causados  às   famílias das  vítimas  e  ao estado  como  um todo, são de grande  monta , muito   deles  irrecuperáveis. Vamos parar  de  sermos  bonzinhos,  sejamos justos…  que  cada  um  receba  a  honra  conquistada  ou  o castigo  merecido, quem sabe  dessa  forma diminuiremos essa  matança  que   tomou conta do  Brasil e do estado do  Ceará, pois os  atuais  números   é  coisa  digna de   guerra   civil ou militar. Temos uma  só certeza:   como está  não pode  continuar.  A todos uma boa semana  e  um arrochado sampraço.


Léa Campos: O tal Lulala

Previous article

Mundo do Cinema, by Jr. Schutt Costa . 09/05/2013

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Colunistas