ColunistasLéa CamposNotícias

Léa Campos: 1/5 e os 2/5 dos infernos

0

lea_camposDurante o século 18, o Brasil Colônia pagava um alto tributo para o seu colonizador, Portugal.

Este tributo incidia sobre tudo o que fosse produzido em nosso país e correspondia  a 20%, ( 1/5) da produção. Essa taxação absurda era chamada “O Quinto”.

Dito imposto recaia principalmente sobre nossa produção aurífera.

O “Quinto” era tão odiado pelos brasileiros, que quando se referiam a ele diziam:

“O Quinto dos infernos.”

Em determinado momento a Coroa Portuguesa quis cobrar os “quintos atrasados” de uma só vez, em episódio que a história chamou de “Derrama”.  Isso revoltou a população, gerando  movimento “Inconfidência Mineira”,  que

culminou na prisão e julgamento de Joaquim José da Silva Xavier, o “Tiradentes”.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), a carga tributária alcançou no final de 2011, 38%  ou praticamente  2/5 (dois  quintos) da  nossa produção.

Trocando em miúdos, a carga tributária que os aplasta hoje, é praticamente o dobro

da que era exigida por Portugal, à época da Inconfidência Mineira, o que significa dizer que hoje pagamos literalmente “dois quintos dos infernos” de impostos.

Para  quê?

Para sustentar a corrupção? Os  mensaleiros? O  Senado com sua coleção de “Diretores”? A festa das passagens, o bacanal com o dinheiro público, as comissões e jetons, a farra familiar nos 3 Poderes:  Executivo, Legislativo e Judiciário ???

Nosso dinheiro é confiscado no dobro do valor do “quinto dos infernos” para sustentar essa corja, que, feitas as atualizações  nos custa  o dobro do que custava toda a Corte Portuguesa.

Nos causa enorme dor em saber que Tiradentes foi enforcado porque se rebelou contra a cobrança da metade do que nos cobram hoje.

Precisamos encontrar outro Tiradentes (ainda que o matem) para nos devolver nossa democracia, nossa  liberdade  e a grana que estão roubando com tanto falta de vergonha.

Por natureza somos pacíficos e levamos tudo na gozação, se fôssemos um pouquinho sérios já teríamos tirado essa corja de corruPTos do poder.

Enquanto  o brasileiro usar o  voto como produto de troca,  nossa gente continuará, sem escolas, sem saúde, sem segurança, sem onde viver, e passando fome.

A tal redução da miséria no Brasil, só existe para a imprensa internacional, nossa realidade é outra, e somente nós, eleitores sérios e brasileiros de  verdade podemos recuperar nosso torrão.

A arma é o voto, mas temos que ensinar o povo dos grotões a votar  para o país e não nas mentiras que só servem para enriquecer ainda mais os PeTralhista.

É chegada a hora de mostrar que somos um povo inteligente e desenvolvido.

Informar é um privilégio, informar corretamente uma obrigação. 

Léa Campos


Social Press . 23/05/2013

Previous article

Francisco Sampa: Salve Jorge, festa na sala, futebol na copa e cozinha vazia

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Colunistas