Francisco SampaNotícias

Francisco Sampa: Sentados sobre o próprio rabo

0

francisco_sampaÉ assim que está e vive a grande maioria dos eleitores e do povo brasileiro. Com os recentes escândalos no Congresso a gritaria é geral, mas isso é coisa de um passado distante, onde muitos mamaram nas tetas fartas e caídas da Senhora República. Eleitores e políticos, corruptos e corruptores, afinal todo mundo tentou, tenta e quer se dar bem o mais rápido possível. Quando uns conseguem, os que ficam de fora do saque ao erário começam a berrar. Claro que não é a maior parte do povo, mas existem tantos safados se elegendo há décadas, roubando o país, os sonhos e as coisas do povo. Este povo ou boa parcela dele também tem a sua parte de culpa em todo o processo. A Bíblia diz: orai e vigiai, o povo deveria votar e vigiar, pois se assim agisse, o quesito reclamar após a fase roubar dos políticos seria minimizada. O empregado só rouba se o patrão der moleza. A ocasião faz o ladrão e por aí vai.

O povo vota e deixa correr frouxo, depois da casa roubada começa a gritaria. Entretanto este mesmo povo dá dinheiro para o guarda, suborna o fiscal, falsifica diploma para se dar bem. Fura a fila e pega atestado médico falso para justificar o dia que ficou de ressaca em casa na “segundona” após a “cervejada” de domingo com os amigos. Isso lá no Brasil. Nos EUA apresentam falsos atestados de renda para não pagar a conta dos hospitais. Todo mundo quer se dar bem e rápido. E aí como fica quando os políticos metem a mão no dinheiro público? Qual é a diferença entre o político enganador e o eleitor corrupto que engana o chefe ou o guarda da esquina? Ambos à sua maneira querem se dar bem, sair de uma situação e dar um up grade na atual fase.

Seja como for, ambos têm responsabilidades, direitos e deveres para com o país, mas boa parte do povo só sabe reclamar os direitos. Como pode se exigir o direito respeitado, se o dever não foi cumprido? Como sacar grana da poupança se lá não se depositou? Assim é a vida meus amigos: para colher tem que se plantar. Para pedir o direito, o dever tem que ser cumprido. É fácil jogar bosta nos “sarneys” como se fosse a Geni da música do Chico. Porém em todo esse tempo quantos ficaram ricos às custas das “sarneydesas” do José, dos seus filhos e netos? A miséria é grande no Maranhão, mas até de estado o homem mudou para se eleger. Foi aceito e votado pelo povo do estado vizinho. Dizem que a voz do povo é a voz de Deus. Neste caso creio que este povo é mudo, burro e não representa a voz de Deus, pois ele, o criador, não seria burro a este ponto, mas a vida passa, os corruptos e safados se ajeitam, enquanto isso boa parte do povo continuará sentado sobre o próprio rabo afinal quem tem… tem medo e passarinho que come pedra sabe o … que tem.


Léa Campos: Um Sonho Feito Realidade

Previous article

Fato Policial by Roger Costa . 28/05/2015

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *