ComunidadeDestaquesNotícias

Mais imigrantes saem dos EUA em busca de asilo no Canadá

0

Sempre que um ônibus chega à estação Greyhound em Plattsburgh, Nova York, um pequeno grupo de motoristas de táxi espera para levar passageiros em uma viagem de meia hora até uma estrada de terra nevada e sem saída.

Lá, na fronteira com o Canadá, refugiados saem de táxis ou vans várias vezes ao dia, e oficiais da Polícia Montada Real Canadense avisam que serão presos por entrada ilegal se cruzarem, o que eles fazem. A maioria é logo liberada para buscar asilo, vivendo e trabalhando livremente enquanto aguarda uma decisão.

“Temos as esperanças de todos – seja bem-sucedido e tenha uma mudança de vida”, disse Alejandro Cortez, um colombiano de 25 anos, ao sair de um táxi na semana passada no final da Roxham Road em Champlain, Nova York. A cidade de cerca de 6.000 habitantes fica do outro lado da fronteira de Saint-Bernard-de-Lacolle, Quebec.

Cortez se junta a um fluxo renovado de imigrantes que buscam refúgio no Canadá após uma proibição de 20 meses de pedidos de asilo destinados a impedir a propagação da COVID-19. As famílias estão mais uma vez carregando malas e crianças por uma vala remota e coberta de neve até a fronteira.

A decisão do Canadá de suspender a proibição em 21 de novembro contrasta fortemente com a abordagem nos Estados Unidos, onde os Centros de Controle e Prevenção de Doenças estenderam indefinidamente uma restrição semelhante na fronteira com o México, que entrará em seu terceiro ano em março.

Os EUA expulsaram imigrantes quase 1,5 milhão de vezes de março de 2020 a novembro sob o que é conhecido como autoridade do Título 42, nomeado para uma lei de saúde pública de 1944 que os governos Trump e Biden usaram para negar aos imigrantes a chance de buscar asilo, alegando que isso conter a propagação do coronavírus. Isso é responsável por cerca de duas das três prisões ou expulsões na fronteira, a maioria envolvendo adultos solteiros e algumas famílias. Crianças desacompanhadas foram isentas sob o presidente Joe Biden.

Viajantes totalmente vacinados podem entrar nos EUA e no Canadá desde novembro, mas o Canadá deu um passo adiante ao restabelecer um caminho para o asilo. Os imigrantes que vão para um cruzamento oficial – como aquele onde a Interestadual 87 termina a leste de Roxham Road – são devolvidos aos Estados Unidos e instruídos a se inscreverem lá. Mas aqueles que chegam ao Canadá em um local que não seja um porto de entrada, como Roxham Road, podem ficar e solicitar proteção.

Quase 60.000 pessoas pediram asilo depois de cruzar ilegalmente a fronteira com o Canadá de fevereiro de 2017 a setembro, muitas em Roxham Road, cerca de 50 quilômetros ao sul de Montreal, mostram estatísticas do governo canadense. Desses, mais de 45.000 pedidos foram finalizados, com quase 24.300 aprovados, ou quase 54%. Outras 17.000 reclamações foram rejeitadas enquanto mais de 14.000 ainda estão pendentes. Outras reivindicações foram abandonadas ou retiradas. Em dezembro, o número de solicitantes de refúgio na fronteira de Quebec saltou para quase 2.800. Isso é acima de 832 em novembro e 96 em outubro, de acordo com as estatísticas. Com informações da Associated Press.


Empresária brasileira fatura milhões de dólares com venda de brigadeiros nos EUA: ‘Pedacinho da nossa cultura’

Previous article

Faleceu na Virgínia, aos 74 anos, o escritor Olavo de Carvalho, “guru” do presidente Bolsonaro

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Comunidade