DestaquesNotíciasUSA

Economia dos EUA em alerta: Mercado amanhece apreensivo após falência de 2 bancos

0

Há incertezas no mercado financeiro quanto à dimensão da falência do SVB (Silicon Valley Bank) e do Signature Bank. As duas instituições financeiras fecharam em um intervalo de 3 dias. No domingo (12.mar.2023), autoridades norte-americanas anunciaram medidas na tentativa de conter maiores danos. A mais significativa diz respeito à criação de um programa de financiamento para instituições financeiras, reservando até US$ 25 bilhões.

Mesmo com respostas rápidas, a apreensão segue. A falência do SVB representa a maior quebra de um banco dos EUA desde a crise de 2008. O SVB é conhecido por financiar startups, empresas que buscam soluções inovadoras e têm alto potencial de crescimento. Já o Signature é um dos bancos mais importantes para o mercado de criptomoedas.

Ex-secretário do Tesouro brasileiro e fundador da Oriz Partners, empresa especializada em gestão de patrimônio, o economista Carlos Kawall afirma ao Poder360 que a situação “merece uma investigação aprofundada”. Kawall, no entanto, diz que as comparações com a crise de 2008 são improcedentes. “Ali você tinha um conjunto de instituições muito grandes que estavam alavancadas no mercado de derivativos. Nesse sentido, os impactos foram sistêmicos e globais, com bancos na Alemanha e no Reino Unido sendo afetados. Não é uma crise da mesma envergadura, mas pode ter efeitos colaterais”, declarou ao Poder360. Na sua visão, houve uma resposta rápida das autoridades norte-americanas para o caso: “As instituições agiram com rapidez para dar uma resposta ao mercado”.

Efeitos no Brasil

Bernardo Brites, fundador da Trace Finance, empresa que ajuda startups a movimentar recursos nos Estados Unidos, afirmou que desde 5ª feira (9.mar) seus clientes já haviam retirado US$ 250 milhões do SVB. Parte do dinheiro voltou para o Brasil. “A gente fez isso numa velocidade recorde, fazendo o máximo para ter um canal bancário, enviando esse dinheiro para um lugar seguro”, disse ao Poder360. Antes das medidas anunciadas pelo governo dos Estados Unidos, Brites estimava que pelo menos 90% dos depósitos no SVB fossem restituídos. Segundo ele, isso se daria por “existir muitos ativos” no banco. Ainda não é possível saber quanto dinheiro as empresas brasileiras tinham no SVB. A expectativa para resgates é positiva, de acordo com Brites. O Nubank negou ter sido afetado pelo fechamento do SVB. O banco brasileiro divulgou nota no sábado (11.mar) para “esclarecer informações equivocadas” de que tinha investimentos na instituição financeira norte-americana. Ao menos US$ 42 bilhões foram sacados por clientes do Silicon Valley Bank desde 5ª feira (9.mar), depois do comunicado em que sinalizava frágil situação fiscal.

FED se reúne

O Fed promove uma reunião extraordinária para esta 2ª feira (13.mar), às 12h30 (horário de Brasília), em Washington D.C., a portas fechadas. A convocação do conselho se deu depois da falência do SVB, na 6ª feira (10.mar). Segundo comunicado, o encontro servirá para determinar e revisar as taxas de adiantamento e desconto a serem cobradas pelos bancos vinculados à autoridade monetária norte-americana.


Entenda por quê tantos brasileiros estão pedindo ajuda para deixarem Portugal

Previous article

Nos últimos anos mudou o perfil dos imigrantes brasileiros nos Estados Unidos

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

More in Destaques