ComunidadeDestaquesNotícias

Reforma da imigração: Democratas apresentam seu projeto de lei ao Congresso

0

Os democratas apresentaram na quinta-feira, um projeto de lei que inclui as diretrizes de imigração anunciadas pelo presidente Joe Biden em seu primeiro dia no comando do país. O senador Bob Menéndez e a deputada Linda Sánchez são responsáveis ​​pela entrega do projeto, que se tornou a proposta carro-chefe do governo Biden.

Nosso sistema atual é ineficiente e cheio de crueldade”, disse o senador Menéndez, filho de imigrantes cubanos.  O projeto de lei, apelidado de “ Lei de Cidadania dos EUA de 2021 ”, inclui um caminho para a cidadania de 11 milhões de imigrantes indocumentados, expande o programa de refugiados e designa financiamento federal para o uso de novas tecnologias na segurança das fronteiras, entre outras coisas.

“Temos 11 milhões de pessoas trabalhando e apoiando famílias sem documentos legais. São pessoas boas e trabalhadoras, são as pessoas que recolhem e embalam os nossos alimentos, são trabalhadores essenciais e, no entanto, vivem com medo constante da deportação ”, disse Menéndez. “É hora de tirá-los das sombras.”  A iniciativa também conta com o apoio dos congressistas Zoe Lofgren, Lucille Roybal-Allard, Nydia Velázquez, Judy Chu, Raúl Ruiz, Yvette Clarke e Yvette Clarke, além dos senadores Amy Klobuchar, Alex Padilla e Ben Ray Luján.

Os pontos mais importantes do plano de reforma da imigração de Biden:

  • – Cria um caminho de 8 anos para obter a cidadania dos EUA para 11 milhões de imigrantes indocumentados que entraram no país antes de 1º de janeiro de 2021.
  • – Os imigrantes indocumentados podem ter status legal temporário por cinco anos, em seguida, solicitar residência permanente e, três anos depois, solicitar a cidadania.
  • – Para os jovens indocumentados conhecidos como “sonhadores” que já têm uma situação legal temporária obtida em/ou após 1 de janeiro de 2017, eles poderão solicitar a residência permanente se puderem comprovar por meio da documentação suas contribuições de trabalho dos últimos anos.
  • – Pessoas com Status de Proteção Temporária (TPS) também podem solicitar residência permanente.
  • – Todas as comunicações oficiais do governo federal usarão a definição “não cidadão” em vez de “estrangeiro” para pessoas que vivem no país sem status legal.
  • – Esposas e filhos de residentes permanentes estarão isentos de fazer parte das cotas de visto permitidas a cada ano fiscal para vir morar nos Estados Unidos.
  • – As cotas para parentes de residentes permanentes que buscam morar nos Estados Unidos serão aumentadas.
  • – Elimina a proibição de reentrar nos Estados Unidos por um período de 3 a 10 anos para imigrantes que permaneceram no país sem um visto válido.
  • – Permite que condados e municípios solicitem vistos de trabalho adicionais para impulsionar a economia de sua região.

“Os imigrantes são bons para a nossa comunidade, para a nossa economia e para o nosso país”, disse a congressista Sánchez, filha de imigrantes mexicanos, que apresentará o projeto na Câmara dos Deputados. Autoridades do governo Biden disseram em uma conversa com jornalistas que este projeto é uma oportunidade para “reiniciar as negociações sobre a reforma da imigração após os últimos quatro anos”, em alusão ao governo de Donald Trump, que promoveu o slogan “Estados Unidos primeiro” e era muito crítico em relação à imigração.

O documento busca promover a reunificação de famílias, especialmente grupos familiares LGBTQ +, e permitir que pessoas com pedidos de patrocínio aprovados se reúnam temporariamente com seus entes queridos nos Estados Unidos, enquanto aguardam as autorizações de residência. Funcionários do governo Biden enfatizaram que a iniciativa também visa abordar as causas da imigração com “medidas fortes” para perseguir o tráfico de drogas e a expansão de grupos de trabalho contra gangues transnacionais, e não se concentrará apenas em um muro na fronteira.

Para ser aprovado na Câmara Alta, o projeto de lei proposto por Biden deve obter todos os votos democratas no Senado, 50, e garantir 10 votos republicanos. Caso contrário, estará fadado ao fracasso, como aconteceu com as tentativas de regularização em anos anteriores. Sobre a votação no Senado, onde precisam do apoio de pelo menos 10 republicanos, Menendez disse que não se trata de apostar no “tudo ou nada”, mas que os democratas querem aprovar uma legislação “robusta”.  “Não faremos concessões desde o início”, disse Menendez.


Livre do impeachment Trump diz que movimento patriótico está só no começo

Previous article

Imigração: Estados Unidos voltam a examinar pedidos de asilo

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Comunidade