Léa CamposNotícias

Léa Campos: Antes Cedo do Que Tarde

0

Muitas vezes agimos no calor das emoções e acabamos cometendo erros, que a longo prazo será prejudicial aos dois lados.
O Cruzeiro está numa posição difícil, com dívidas, sem dinheiro para bancar um bom elenco e uma luta titânica pela frente para recuperar o lugar perdido na série A do campeonato brasileiro, fomos rebaixados para a Série B, graças à incompetência da diretoria passada, que se achou dona do time e começou a corromper para se manter no poder, como fazem os políticos.

Houve uma reação jamais esperada pelos mesmos e a única solução foi a renúncia coletiva, para que homens que realmente levam no coração as cinco estrelas que definem esse grande clube brasileiro, dono de inúmeros títulos e prestes a completar 100 anos de vida, pudessem apoiar o clube. Na expectativa de recuperar o Cruzeiro, os conselheiros criaram o grupo de “Notáveis” com a finalidade de trabalhar de mãos dadas por objetivo comum: levar o Cruzeiro de volta para a Série A. Tendo como líder Pedrinho, empresário de sucesso com a rede de supermercado BH, fizeram um programa de recuperação. Entretanto, alguns que faziam parte desse seleto grupo já pularam para fora do barco, um capitão responsável nunca deixa seu barco à deriva, morre junto com todos, pois sabiam desde o início que seria uma luta titânica, e que o tempo emprestado seria o mais importante, já que um clube bem administrado atrai grandes apoios financeiros.

Assim pensou o Pedro Lourenço, que de uma vendinha em Santa Luzia se transformou num monstro dentro do campo de supermercados enfrentando até multinacionais. Só será vencedor quem realmente acredita no objetivo traçado e na meta que pretende chegar. Sabemos que é uma luta difícil, contra tudo e contra todos, mas a vitória virá, apesar de alguns desistirem. Vittorio Medioli, italiano, empresário bem sucedido em diversas áreas, prefeito de Betim, sabia que era uma tarefa para tempo extra, um luta diária e por N motivos, resolveu que o melhor era sair. Ser CEO de uma entidade falida é tarefa difícil, mas não é impossível, com luta e coração conseguiremos o que pretendemos. De qualquer forma, agradecemos a Vittorio Medioli por não ter nos enganado e ter se colocado à disposição com o tempo que puder.

Entretanto, o que o Cruzeiro precisa é de quem pode lutar de verdade, não com tempinho que sobrar em sua vida diária e sim com um tempo integral ou quase, para levantar essa instituição chamada Cruzeiro Esporte Clube, não queremos migalhas de amor, queremos amor de verdade. Um diretor executivo (CEO) tem que aportar ideias e ajudar colocá-las em prática. As alegações dele foram recebidas sem nervosismo e já buscam outro que realmente tenha condições de recuperar o clube, o que está fora do baralho e uma intervenção judicial. A justiça não consegue resolver nem mesmo os problemas que nos afetam como um todo, como vai focar em algo que não domina? Esperamos com fé que possamos no próximo ano (2021) ver nosso time onde ele deve estar e de onde nunca deveria ter saído. O Cruzeiro não foi o primeiro grande clube brasileiro a ser rebaixado e os demais não sofreram intervenção judicial para retornar ao grupo de elite do futebol brasileiro, por que com o Cruzeiro tem que ser diferente?


Social Press . 09/01/2020

Previous article

Emerging Forces at New York Jewish Film Festival 2020

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Léa Campos