Léa CamposNotícias

Léa Campos: Getúlio Vargas, “O Pai dos Pobres”

0

Não vou elogiar um ditador, não vou dizer que ele foi o melhor ou pior presidente que tivemos, mas vamos enfatizar que apesar de tudo de mal que ele proporcionou, segundo conta a história. Getúlio Vargas presidiu o Brasil durante 18 anos de 1930 a 1945, sendo reeleito em 1951 governando até 1954 quando, segundo a história, se suicidou. Dia 24 passado, 67 anos após o evento, não houve no Brasil uma referência sobre um dos presidentes mais polêmicos do país.

A “Era Vargas”, como ficou conhecida, foi marcada pelo regime ditatorial e pela criação de alguns direitos trabalhistas, como o salário mínimo, a carteira de trabalho e as férias anuais remuneradas, talvez por isso foi chamado: “O pai dos pobres”. Não podemos colocar no baú do esquecimento que Getúlio foi o criador da Petrobras, que hoje e usada pelos políticos corruptos e ladrões. Apesar da lei criada por ele em 1943 que proibia a mulher de participar de qualquer tipo de esporte, alegando que eram incompatíveis com a estrutura da mulher, devemos agradecer ao “Velhinho”: como dizia a música em sua homenagem, pois foi ele que criou a lei permitindo que a mulher pudesse votar, e hoje somos não apenas votantes como também temos o direito de nos candidatarmos a qualquer cargo eletivo. Certamente é um complemento da lei de Vargas.

Esteve nas fileiras militares, depois de abandonar a carreira militar foi estudar direito na Universidade gaúcha, e em 1909 Getúlio se candidatou a deputado estadual, saiu vitorioso, mas por divergência com o governador Borges de Medeiros, renunciou, voltando ao mesmo cargo entre 1917 e 1921, sendo eleito Deputado Federal em 1923. Em 1926 foi ministro da Fazenda do presidente Washington Luís, em 1927 deixou o ministério e se candidatou a governador do Rio Grande do Sul, sendo vitorioso tomando posse em 1928 quando conseguiu unir todas as forças políticas formando um governo de coalisão. Getúlio Vargas apesar de ditador fez muita coisa positiva para o Brasil, restaurou as eleições diretas que ele mesmo havia proibido. Ao vencer a “Intentona comunista”, Vargas conseguiu sufocar o que Prestes pretendia, ou seja, que ele fosse deposto.

A história precisa ser contada aos jovens para que não sejam enganados por falsos políticos. Dia 23 de agosto de 1954, diante de um ultimato do ministro da guerra, no qual exigia seu afastamento, Getúlio se viu isolado no Palacio do Catete e escreve uma carta fundamentalmente política e se mata comum tiro no peito. Sua morte ocorreu dia 24 de agosto de 1954 no Rio de Janeiro no Palacio do Catete. Getúlio foi casado com Darci Vargas e criaram 5 filhos: Alzira, Manuel, Lutero, Jandira e Getúlio Vargas Filho. Quem não conhece seu passado, corre o risco de repeti-lo.


Social Press . 03/09/2021

Previous article

Fighting Back to the Effects of Anxiety, Racism and Desire

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Léa Campos