Léa CamposNotícias

Léa Campos: Quem foi Rei não perde a Majestade

0

Dia 25 de novembro é uma data carimbada pela torcida do Cruzeiro Esporte Clube, que apesar de tudo levou 60.700 torcedores pagantes para uma renda de R$ 1.347.180,00, fora os que ganharam cortesia e os que possuem cadeira cativa. 

É um marco na vida de um time, que mesmo estando mal na segundona, não foi abandonado por aquele que o amam.

A torcida cruzeirense mostrou o quanto o Cruzeiro é grande e que continua vivo.

Muitos foram ao Mineirão para a despedida de Sobis pelo carinho que ele tem pelo Cruzeiro e por nossa cidade. Ariel Cabral também se despediu e retorna ao seu país a Argentina. Sobis pendurou as chuteiras.

Foi um jogo em que o resultado do placar não mudava nada, Cruzeiro já não tinha mais chance de retornar à série A e Náutico também não. Portanto, o resultado era o menos importante naquele momento, apesar de que gostaríamos de ter fechado o ano com uma vitória.

Foram muitas as emoções vividas nesse jogo. Fabricio, a quem chamávamos de “Guerreiro Azul”, que jogou no Cruzeiro de 2007 a 2011, chegou a Belo Horizonte após ter saído do clube havia 10 anos, levando os filhos para conhecer o Mineirão, numa viagem que teve início no Rio de Janeiro, mostrando a todos o quanto o “Cabuloso” é grande.

Entre outras presenças importantes, vamos destacar nosso eterno “Príncipe” do futebol brasileiro, Dirceu Lopes, que vestindo uma camisa do time que o consagrou esteve presente ao evento.

Não sei se me alegra ou entristece tudo o que passou, mas serviu para mostrar mais uma vez a grandiosidade do time do Barro Preto.

Podem repetir tudo o que falaram e acrescentarem mais, nunca deixaremos de ser cruzeirenses.

Cruzeiro é imortal e vai mostrar em 2022 seu verdadeiro valor.

A presidência do Clube demorou muito para contratar um técnico com capacidade e que lutou bravamente para subir o Cruzeiro para a Série A, não repetiu o bordão de outros que disseram: “Estamos lutando para não cair para a Série C”.

Luxemburgo desde o início disse que sua meta era a primeira divisão, não conseguiu por N motivos: pagamentos em atraso, jogadores manhosos e sem compromisso com o clube, alguns jogadores medíocres, falta de jogadores de qualidade, enfim foram muitos os fatores.

Quando Luxemburgo foi contratado, o Cruzeiro estava na 18ª posição com 13 pontos, seu destino estava traçado para cair.

Como dizemos em Minas, estávamos na tábua da beirada, um empurrãozinho mais e caímos na C.

Milagre somente Deus, mas Luxa conseguiu fazer com que o Cruzeiro subisse para 14 posição somando 48 pontos.

Estamos confiantes de que nosso atual técnico vai recolocar o Cruzeiro no lugar certo do qual nunca deveria ter saído.

Em partes temos que agradecer à FIFA por ter tirado 6 pontos de nosso time no ano passado, cumprindo ordens de um time árabe, que é importante para a entidade, por uma dívida do Cruzeiro.

Uma lei estúpida, se pagou a dívida, como aconteceu, os pontos deveriam ter sido devolvidos.

Quando nos protestam por uma dívida, ao pagá-la o nome fica limpo.

Mas no futebol o que manda é a lei do quem dá mais.

Temos confiança em nosso time e em Pedrinho BH, que sem sombra de dúvidas é um cruzeirense de alma e coração, que não visa ganhar em cima do Cruzeiro, ao contrário de muitos que saíram e outros que ainda continuam no Clube e tirando vantagens financeiras e que deveriam renunciar para não atrapalhar os que de fato lutam pelo time.

#pedrinhobhparapresidente.

 


Social Press . 10/12/2021

Previous article

Exploring the Fall of Democracy, Romantic Affairs and Shameful History

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Léa Campos